Sempre é tempo de amar

24 de abril de 2014, escrito por Redação i3i, na categoria Relacionamento

Fonte


Albertina e João Carlos se encontraram pelo Facebook e estão namorando há dois meses. Arquivo pessoal/i3i

Não há momento certo ou errado para viver uma grande paixão. Muitas vezes, a cara metade surge depois dos filhos, depois do casamento e quando muito pouco ainda se espera do amor. O sentimento que arrebata corações na terceira idade pode ser igual, senão mais intenso, do que aquele que dispara o pulso dos jovens. Mas os namoros nessa faixa etária são bem diferentes. Não há muito tempo a perder. Sem compromisso nem culpa, geralmente as pessoas se entregam simplesmente ao prazer de estarem juntas. Afinal, não há mais toda aquela pressão que põe água na maioria dos relacionamentos.

Um dos exemplos é a dona de casa Albertina Mikulske, 55 anos, e o cartorário aposentado João Carlos de Oliveira Passos, 62. Há pouco mais de dois meses se encontraram no Facebook e, como milhões de pessoas pelo mundo afora, começaram uma relação virtual. Passos, um solteirão convicto, era um velho conhecido da família de Albertina, viúva há 20 anos. O papo virtual acabou rendendo um convite para um encontro. Conversa vem, conversa vai, os dois ficaram chegados, saíram algumas vezes e, após um jantar, foram caminhar na beira da praia. Trocaram alguns carinhos, até o primeiro beijo. João Carlos, como bom cavalheiro, acompanhou a namorada no retorno para a casa. E Albertina, para não desagradá-lo, convidou-o para que dormisse por lá. Mas no sofá da sala.

A “permissão” para avançar em casa viria apenas duas semanas depois. Com muito amor, carinho, carícias e respeito, sem pressa. Feliz pela nova relação, Albertina admite que nunca quis ficar sozinha. ”Agora, a gente vive mais a nossa vida, não têm que se dividir com os filhos”, resume a dona de casa, que garante satisfação também do ponto de vista sexual. “Está tudo ótimo. Faz parte da vida e é como se fossemos jovens”. E a felicidades faz com que planejem o futuro juntos: querem continuar morando junto e engatar algumas viagens, como um cruzeiro por um destino ainda não escolhido. Enquanto isso, vão a shows, como o do cantor Daniel no final de semana passado. “Eu danço e ele fica olhando”, conta ela.

Passos garante que ainda se sente um garoto, por ter frio na barriga e nutrir uma expectativa de dar certo. “Nunca pensei em me casar. Na juventude, tive algumas relações, mas depois dos 40 foram poucas”, completa o aposentado, que não deverá se entregar com facilidade ao matrimônio.

Para o professor de Psicologia na UniRitter, Paulo Cogo, ter um relacionamento faz parte da vida e é visto como algo positivo em qualquer idade. Ele chama a atenção para que os novos idosos saibam chegar neste período da vida com sabedoria, ou seja, se autoconhecendo, identificando suas necessidades, para que tenham condições de começar uma relação madura. Para Cogo, o interesse sexual muda de significado e intensidade, mas não desaparece, pelo contrário, deve ser aproveitado no momento presente. Aliás, nesta fase deverão aprender a conviver com as escolhas do passado de forma harmônica, ou seja, é preciso estar bem consigo mesmo para amar a outra pessoa e não assumir um relacionamento apenas para resolver as suas próprias carências.

O psicólogo comenta que namorar na terceira idade traz todos os benefícios possíveis e não deixa de ser uma chance de recomeço, quando os idosos podem errar menos, por conta da maturidade e experiência. “É uma felicidade autêntica”, finaliza o especialista.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe pelo Facebook


Tags: Sexo,

Notícias relacionadas:

Ou se preferir veja uma listagem com todas as notícias do i3i!

Comentários!
Use a caixa de comentários abaixo para comentar, compartilhar e interagir com os leitores do site.


Você também vai gostar de ...

Encontre-nos no Facebook

i3i ® 2014. Todos os direitos reservados.